9 de set de 2013

Minha primeira decepção amorosa


Primeira decepção amorosa é que nem o nosso primeiro sutiã, a gente nunca esquece. E acho que todo mundo já viveu isso ou ainda viverá uma decepção amorosa aguda.
Algumas coisas na minha vida aconteceram muito precocemente, comecei a dar meus primeiros passos muito cedo e fiquei mocinha cedo ~~não tenho mais vergonha de dizer isso~~ e por fim quis inventar de me apaixonar cedo. Com 12 anos eu já me sentia uma adolescente, mais ai é que foi o erro, foi eu ter dito pensamentos de 15 em uma mente de 12 anos, é uma ansiedade tão grande de chegar na adolescência, que quando a gente mal entra na pré-adolescência a gente quer experimentar essa fase nova, e acho que nessa época a palavra pré nunca existiu pra mim!
Talvez a palavra certa seja ilusão amorosa, mais que não deixa de ser uma decepção não é mesmo ? Agora imagine que louco uma menina de doze anos começar a gostar de um garoto três anos mais velho, que pai que iria permitir esse namoro? Nenhum, e não foi diferente com o meu pai, e confesso mais uma coisa, por causa disso minha relação nessa fase com meu pai ficou meio tensa, eu querendo namorar e ele não querendo permitir, e mesmo eu insistindo tanto ele não deixou, mesmo assim eu continuei com o garoto, mais isso não durou muito, só 1 mês na verdade, e depois do dia em que ele falou que não dava mais pra nós dois foi aonde que meu mundo desabou e começou a minha fase de decepção, dramas choros a madrugada inteira e olhos inchados pela manhã, é horrível acordar pela manhã e ver seu olho inchado. Hoje eu digo que a pior coisa é chorar de amor, ou melhor chorar diante de uma decepção amorosa, parece que nada te alegra, e que o sorriso não quer bater na sua porta. Foram mais ou menos dois meses pra eu voltar para o mundo real e deixar o mundo de chorumelas de lado, mas eu ainda não entendia o porquê meu pai não queria deixar, não entendia que doze anos a gente ainda tem muitos limites, na verdade, a gente ainda é criança mais não sabe!
Hoje tenho novos pensamentos sobre esta questão, aprendi muito com essa fase, hoje eu entendo o lado do meu pai, ele nunca ia me deixar namorar com doze, treze anos, eu entendo hoje a super proteção dele na época, ele não queria que eu me apegasse pra que não gerasse uma decepção maior. E depois de semanas de choros a gente vai se fortalecendo a cada dia, e o tempo vai curando...
Pensando bem, decepções fazem parte da vida, são nelas que aprendemos lições e depois de toda aquela fase ruim que passou eu tive lições, aprendi com elas e cresci mentalmente. Quando a gente completa doze anos, a gente já pensa que pode algumas coisas, já queremos namorar, sair com as amigas, aparece frases pra te iludir, elogios pra fazer suspirar e é dai que vem aquela desilusão.
Aprendi também o mais importante: Não atropelar nada, não se prender a pessoa nenhuma, viver cada fase da vida, e esperar o amor vir até a gente e não ficar correndo atrás de "amores" e nem chorando pelos cantos, cada lágrima que derramei, hoje pra mim é um sorriso!
E essa coisa de quanto menos a gente esperar por um amor, do nada ele aparece, foi o que aconteceu comigo, depois de tantos choros que me dá até agonia de lembrar, hoje sou feliz com as coisas que eu tenho e com as pessoas que eu amo, e com a pessoa que eu verdadeiramente amo que veio pra ficar na minha vida! E eu imagino que se futuramente a mesma coisa acontecer com a minha filha, eu irei dar o maior conselho pra ela, pra que ela não se decepcione tão cedo como eu, e que isso também sirva de exemplo pra muitas gúrias por aí. Não adiante o ponteiro do relógio da vida



2 comentários:

  1. Nossa, esse texto parece que foi escrito pra mim! Eu tenho treze anos e ano passado aconteceu a mesmíssima coisa comigo.. Parabéns por escrever tão bem!
    Beijos
    http://maniasdaisa.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada Isaa, seguindo o seu blog viu linda ?
      bjinhos

      Excluir